Aves incendiárias na lista de animais perigosos

Recente estudo acrescenta três aves à lista de animais mais perigosos do planeta: são elas o falcão- marrom (Falco berigora), o milhafre-preto (Milvus migrans), e o milhafre-assobiador (Haliastur sphenurus). Essas aves agora estão no mesmo patamar de periculosidade que determinados felinos, tubarões e insetos peçonhentos. 

falcão- marrom, Falco berigora, milhafre-preto, Milvus migrans, milhafre-assobiador, Haliastur sphenurus, incendio, fogo, fenix
Ave incendiária flagrada no delito.
De acordo com entendidos em observação animal, as criaturas aprenderam que é mais fácil caçar próximo à incêndios florestais já que suas presas tendem a fugir para longe das chamas, indo, muitas vezes, parar em local descampado facilitando a captura. 

Até ai, nenhuma novidade, pois é fato que anos de evolução deixaram as aves com certa inteligencia já que diversas espécies são capazes, por exemplo, de construir ninhos arquitetonicamente interessantes utilizando apenas o bico - coisa que a maioria dos humanos não consegue fazer. 

No entanto o que surpreende é que, com o passar do tempo, as aves aprenderam que nem todo incêndio resulta em melhor caça, pois há incêndios que se concentram e se extinguem no mesmo local, longe de zonas descampadas. Nesse momento é que percebemos a maldade que torna essas aves tão periculosas. 

Quando elas percebem que o incêndio pode não resultar em caça, as criaturas ampliam deliberadamente o fogo pegando galhos em chamas com o bico ou com as garras e os deixando cair em uma área ainda não atingida. Evidências comprovam que é comum encontrar esse tipo de ave próximo a incêndios e que elas recorrem a essa metodologia de caça apenas quando o incêndio atinge seu limite de expansão e ameaça se apagar. 

Segundo os mesmos pesquisadores, essas aves podem ter aprendido a controlar e a usar o fogo a seu favor antes mesmo dos humanos pois estão no planeta a milhões de anos enquanto que a hipótese mais antiga de utilização humana do fogo é de meros 400 mil anos atrás. O estudo mostra também diversas cenas onde vemos essas aves batendo insistentemente pedra contra pedra junto à ramagem seca. 

Há, inclusive, na Austrália uma crença antiga de que essas aves têm a capacidade de espalhar as chamas e isso é celebrado em antigas danças cerimoniais nas culturas aborígenes do país. A pesquisa agora vai focar em experimentos em condições controladas para verificar se apenas essas espécies de aves podem ampliar incêndios. A lista pode a aumentar.

Comentários

++ DA SEMANA

Atos de Vingança - Antonio Banderas

Vingança fatal contra a Yakusa carioca

A Forma da Água - The Shape of Water

Stallone Cobra e a horda do mundo novo

Narrativa do filme: Um dia de fúria - parte 2

Narrativa do filme: Um dia de fúria - parte 1

Devemos castigar o filho que pratica bulling?

Jornalista populista é condenado a sentar na graxa

A história do filme Desejo de Matar original

Empreiteiro ajuda malabarista em sinal de trânsito e emociona