Mulher acha celular roubado em grupo do Facebook

É meu amigo e minha amiga... a vida dá voltas e as vezes nos deixa perplexos quando não, boquiabertos em certas situações relatadas. Acompanhem essa história verídica que aconteceu em Rincão da Caneleira, interior do Estado. A cidadã de bem, uma mulher de meia idade, do lar, uma mãe de família de aproximadamente 45 anos, que preferiu não se identificar, estava caminhando despreocupadamente numa tarde rumo à casa de uma conhecida de longa data com o objetivo de bater um papo e colocar a conversa em dia. 
bolsonaro, ladrão, assalto, violencia, celular, dinheiro
Pessoas de bem tem que lidar com a violência.
Por volta das 14 horas, próximo à uma escola de ensino médio na rua Jurupeba, ela foi abordada por dois sujeitos que usavam boné e que vinham em sentido contrário, numa bicicleta Caloi enferrujada. Os elementos se aproximaram da cidadã, sacaram uma arma de fogo e rapidamente impuseram as condições da transação que iria se dar naquele instante por vontade unilateral: a vítima entregaria a bolsa em "troca de não levar um tiro no meio dos cornos" - expressão desaforada usada por um dos meliantes - o mais novo e mais petulante. 

A vítima conta que congelou e acabou ficando imóvel por alguns segundos com os olhos esbugalhados e estatelados rumo ao horizonte. O vagabundo de mais idade não esperou a mulher se refazer do susto e rapidamente deu um puxão arrancando a bolsa das mãos da vítima e partindo em disparada na garupa da bicicleta cor de ferrugem. Em seguida a mulher de bem foi acudida por populares de bem e assim que recobrou-se do susto foi até uma delegacia de policia para registrar a ocorrência. Na bolsa, a mãe de família carregava alguns badulaques, um celular e R$ 15,00 que usaria para comprar pão e leite para as crianças, quando voltasse da visita. 

Mais tarde, em casa e junto do marido e dos filhos, a mulher contou a experiencia de ser roubada, do medo de ser baleada e da situação em que a família ficaria acaso acontecesse uma desgraça. Todos ficaram indignados com a falta de segurança e após alguns desabafos acalorados acabaram mudando de assunto e a rotina seguiu seu rumo. À noite ela já tinha conseguido bloquear o chip e começou então a pesquisar por um novo celular. 

Para isso utilizou-se da mesma ferramenta usada anteriormente a qual oferecia aparelhos com preços convidativos - um grupo do Facebook. Ao analisar os modelos disponíveis a mulher teve um surpresa - um dos modelos oferecidos era idêntico ao seu - tinha até um risco na lateral causado por uma raspão na pia. Ela olhou as fotos e não teve dúvida - era o seu celular roubado. Indignada e com sede de vingança a mulher chamou o marido e foi a delegacia mostrar aquela pouca vergonha. 

Um dos meliantes foi preso e confessou o crime. O outro meliante, o mais novo, não foi localizado. O celular foi devolvido e a mulher de bem não precisou comprar outro celular roubado. O delegado aproveitou para alertar que a população não tente dar uma de "leitão vesgo para mamar em duas tetas" porque quem for pego com material roubado vai responder pelo crime de receptação. Seja pessoas de bem ou não.

Comentários

++ DA SEMANA

Atos de Vingança - Antonio Banderas

Vingança fatal contra a Yakusa carioca

O Mercado financeiro quer apenas seu bem

Filho de juiz é preso transportando drogas, armas e munições

Comando para matar - parte 4

Lojista meliante aprende que bom cabrito não berra

Greve de juiz e desembargador pelo piso magistral

Liguem as prensas da fábrica estatal de dinheiro?

Neoliberalismo e frustração sexual

O homem que pagava para não se incomodar