Mamíferos deixam a vida noturna e noitadas

Um grupo de cientistas acaba de retornar de uma viagem no tempo há milhões de anos no passado e pretende publicar em breve, importante estudo que afirma que os primeiros atos diurnos dos mamíferos começaram a acontecer cerca de 65 milhões de anos atrás, época em que os dinossauros teriam sido extintos, de acordo com outro estudo do mesmo naipe. 
desenho, mamíferos, dinossauros

Ainda segundo o relato inicial dos cientistas, após a extinção dos dinossauros, os mamíferos foram aos poucos saindo de noitadas diárias e passando a ter vida diurna porque perderam o medo de virarem comida dos dinossauros que já estavam mortos. Sic.

Os pesquisadores classificaram membros de 2.415 espécies vivas entre diurnos, noturnos ou ambos. Foram utilizados dados de elefantes, cangurus e até morcegos, sendo que esses últimos são notívagos ainda hoje. 
"Tentamos cobrir toda a diversidade de mamíferos", 
disse um dos viajantes do tempo. 
"Voltamos mais de 150 milhões de anos para trás e observamos um padrão muito claro: o de que todos os mamíferos que viveram durante a era dos dinossauros eram noturnos." 
continuou.

Naquela época, teriam vivido sobretudo animais do tamanho de ratos, que comiam insetos e tinham hábitos noturnos. Acredita-se, no entanto, que também havia espécies do tamanho de cães. Um dos primeiros animais a se tornar diurno foi o antepassado do macaco. 

Mas, assim como em todo lugar, há a turma do contra, nesse caso formado pelos antepassados dos chamados ungulados (mamíferos de casco), como a vaca ou o camelo, os quais eram ativos durante o dia e a noite, contrariando esse importante estudo.

Comentários

++ DA SEMANA

Atos de Vingança - Antonio Banderas

Vingança fatal contra a Yakusa carioca

O Mercado financeiro quer apenas seu bem

Filho de juiz é preso transportando drogas, armas e munições

Comando para matar - parte 4

Lojista meliante aprende que bom cabrito não berra

Greve de juiz e desembargador pelo piso magistral

Liguem as prensas da fábrica estatal de dinheiro?

Neoliberalismo e frustração sexual

O homem que pagava para não se incomodar