Discurso à intolerância

Irmãos e irmãs estamos aqui nessa tarde para julgar e decidir o que deve ser feito com a vida de uma criatura que dedicou sua existência a fazer o mal. Não sei se ela será condenada ao final desse processo, mas tenho uma certeza - a de que suas ações não fizeram desse mundo um lugar melhor. 
guillotine, guilhotina, cabeças, decapitar
Cortem-lhes as cabeças.
Muito pelo contrário. Elas trouxeram dor e sofrimento a muitas pessoas ao longo dos anos e em minha opinião isso deve acabar agora.  Devemos impedir que atos como os cometidos por essa criatura atinjam mais pessoas no futuro e por isso meu voto é pela condenação imediata à guilhotina como forma de evitar uma terceira fuga e que mais pessoas inocentes sejam vitimadas. 

Como puderam perceber nas argumentações anteriores há pessoas que querem aparentar um espírito evoluído e para isso defendem a vida em qualquer situação. Querem não só que essa criatura continue viva como seja cuidada e tratada na esperança de que continue a conviver conosco. Quantas vidas serão necessárias para pagar o preço que isso custa? Essa conta não fecha meus irmãos e irmãs. Estamos e continuaremos no prejuízo.

Essas pessoas acreditam que isso é a prova sublime de sua evolução humana mas não vêem que a impunidade gesta silenciosamente novos maus exemplos. Eu acredito que a alternativa proposta já se provou inútil nesse caso e que não podemos mais correr o risco que a manutenção desse tipo de conduta traz à comunidade. 

Eles dizem que a vida deve ser protegida mas lhes digo para não proteger a vida de quem não a valoriza nos outros.

Comentários

++ DA SEMANA

Atos de Vingança - Antonio Banderas

Vingança fatal contra a Yakusa carioca

O Mercado financeiro quer apenas seu bem

Filho de juiz é preso transportando drogas, armas e munições

Comando para matar - parte 4

Lojista meliante aprende que bom cabrito não berra

Greve de juiz e desembargador pelo piso magistral

Liguem as prensas da fábrica estatal de dinheiro?

Neoliberalismo e frustração sexual

O homem que pagava para não se incomodar