Vingança fatal contra a Yakusa carioca

Um homem, está em seu apartamento em companhia apenas de seu peixinho dourado no aquário. Ele não está bem porque seu pelotão foi massacrado numa operação militar que deu errado. Bons companheiros que partiram para a terra dos pés juntos. Eles queria ter ido também mas o destino quis outra coisa. Numa espécie de ritual semanal de suicídio, ele coloca três copos de cachaça em fila, um está vazio e dentro dos outros dois há respectivamente um e dois projeteis de revólver. 
netflix, vingança fatal, Michael Jai White, yakusa, rio de janeiro, favela carioca

Enquanto recita cada nome dos colegas mortos ele aponta para um copo ou outro. E numa espécie de malmequer fatal, o último nome recai sobre o copo com dois projeteis. Ele pega o copo, o enche de whisky, bebe e fica literalmente “chupando bala” por alguns segundos. Após retira as balas da boca e as coloca no revolver para fazer roleta russa. Aponta a arma para a parte debaixo do queixo, faz continência e dispara. Não foi dessa vez que John se matou. 

Ele vai até o mercadinho próximo em busca de mais álcool. Enquanto está escolhendo a bebida, o mercadinho é assaltado por dois ladrões que após pegarem o dinheiro não vão embora. Um dos ladrões achou por bem insistir em mandar John, que estava alheio ao assalto, deitar no chão. John vê nisso outra oportunidade de morrer e então pega no cano da escopeta e encosta no peito enquanto explica os possíveis efeitos de um tiro nessa região. 

Após coloca a ponta do cano na boca e sinaliza com a mão para o bandido, numa atitude muito suspeita. O outro ladrão já está cansado de esperar essa lenga lenga e manda o comparsa atirar. John então retira o cano da boca e coloca na testa e manda o pilantra atirar. Ele não atira e é nocauteado. O outro ladrão em vez de fugir resolve lutar e perde a disputa. John pega o whisky e devolve o dinheiro roubado. Diz para o caixa ficar com o troco e sai.

Já é noite e John continua bebendo todas e lembrando do banho de sangue que o perturba enquanto puxa ferro e arrebenta a parede a socos e gritos. Já é manhã quando ele acorda com batidas na porta. Era sua irmã Cindy, que estava furiosa pois John esqueceu de buscá-la no aeroporto porque preferiu ficar enchendo a cara na noite anterior. Eles vão almoçar num restaurante e colocam as novidades em dia. Na manhã seguinte Cindy retorna ao Brasil onde trabalha num serviço voluntário numa favela a beira do mar do Rio de Janeiro. 

A música com sotaque espanhol anima as paisagens brasileiras e o comércio de entorpecentes. Na favela a policial Katarina e seu colega Paulo encontram Cindy quase morta na beira da praia. Na embaixada dos Estado Unidos, os detetives Santos e Bororo informam o vice-cônsul Manny sobre o ocorrido. Manny serviu com John e reconhece Cindy pelas fotos. John é avisado, enche o aquário com comida de peixe e parte para o Brasil. 

Na favela, enquanto o jogo de capoeira rola frouxo, a policial Katarina e o colega distribuem refrigerantes em uma caixa de isopor para o pessoal da roda, na tentativa de obter informações sobre o ocorrido com a Cindy. Eles ouvem tiros e correm para o local dos disparos. Chegando lá encontram Santos, Bororo e outros policiais enchendo uma van com prisioneiros traficantes. 

Santos vê Katarina e resolve encher o saco da mulher enquanto manda Paulo, que ainda carrega a caixa de isopor com refrigerantes mornos, buscar gelo. Ele vai. Nisso chegam três traficantes correndo e um deles por algum motivo desconhecido resolve atirar uma pedra nas costas de Santos. Santos e a polícia sacam as armas mas as outras pessoas que estavam ao redor também sacam as armas e Santos percebe que havia muito mais bandidos do que ele imaginava. Cria-se um impasse. 

Santos então propõe uma luta entre Bororo e o atirador da pedra, que era o melhor lutador deles. O acordo era: Se a polícia ganhasse, tudo continuava como estava mas se os traficantes ganhassem Santos libertaria todos os presos, devolveria todas as coisas apreendidas e nunca mais voltaria à favela. A luta de capoeira começa e Bororo ganha. A policial Katarina corre para cuidar dos ferimentos do traficante perdedor. Paulo chega com o gelo. 

John desembarca no Brasil, é recebido por Manny e vão à clínica ver Cindy. Lá encontram Santos que leva John ao local onde Cindy foi encontrada. Santos se mostra bem católico, usa crucifixo e parece temer a Deus. Santos apresenta John à policial Katarina da Silva. John se assusta com o barulho da partida de um carro velho, saca a arma de Katarina e aponta para o carro. Os traficantes que estavam na volta apontam as armas para John. Santos acalma as coisas e sai. Da Silva leva John ao local e explica que o governo abandonou a favela e são os traficantes que bancam tudo. 

John vai ver Cindy e encontra uma enfermeira asiática saindo do quarto. Cindy começa a ter convulsões. John procura ajuda e em seguida descobre que a asiática não é enfermeira e que tentou matar Cindy. No outro dia, na favela carioca a beira do mar John suspeita de um suspeito que está usando o colar da Cindy. Começa uma briga entre John, o suspeito e os amigos do suspeito. A policial Da Silva chega e explica que o suspeito na verdade é amigo, que ele teve a irmã Maria desaparecida recentemente e que a Cindy deu o colar a ele. O irmão da Maria leva John e Katarina até um barraco e entrega o diário de Cindy com várias páginas rasgadas. Da Silva conta então que várias crianças da favela desapareceram sem pista alguma. 

À noite várias prostitutas se enfileiram numa calçada em busca de cliente. Dentro de um carro estacionado próxima à elas, Bororo diz que está a fim de pegar a mãe de Santos. Santos diz que pode não ser fácil porque a velha não curte coisa pequena. Eles riem da bagaceirice. Nisso chega um carrão e pergunta o preço da tabela à uma das quengas. Bororo sai do carro e agride o cliente. Santos dá uma grana à moça e diz que da próxima vez vai prendê-la. 

No restaurante do hotel, John está bebendo quando resolve esfregar o papel carbono da comanda na página do diário e descobre o número de telefone - o último compromisso de Cindy. Ele liga para o número e marca um encontro com Bruno - um fotografo - para a manhã seguinte. No encontro, Bruno diz que Cindy estava investigando o desaparecimento das crianças e que pediu a ele que fotografasse o encontro entre ela e uma pessoa que podia pôr fim a isso e que ele deu à ela os originais das fotos. 

John pede as cópias mas Bruno diz que não pode dar pois é sua garantia de vida. John então se despede de Bruno com uma abraço carinhoso e pega um pen drive que Bruno escondia em algum lugar desconhecido. Bruno embarca num fusquinha azul que explode. John tem mais um flashback recorrente da guerra. John vê a asiática que não era enfermeira e a persegue até ela entrar num carro e partir. Outro carro se aproxima e bandidos encapuzados atiram contra John mas acertam um policial armado que estava próximo. John pega a arma do policial e revida os tiros acertando vários canalhas tatuados. 

Mais tarde, Manny imprime as fotos do pen drive para John o qual comenta sobre as tatuagens dos pilantras. Manny então revela que se trata da famosa Yakuza carioca que existe no Brasil desde os anos 70. John percebe numa foto, a palavra Kronos refletida na janela de um carro. Trata-se de uma boate local e à noite John vai até lá. Chegando, localiza o sujeito que estava na foto com a Cindy atuando como DJ e espera. Percebe também a presença de vários seguranças carecas mal encarados espalhados. 

O DJ é substituído por outro, pega uma maleta e por algum motivo vai olhar seu conteúdo no banheiro. Um segurança o segue. John derruba o segurança com um chute, entra no banheiro e começa a interrogar o DJ entre uma enterrada de cabeça no vaso sanitário sujo e outra. Ele resolve abrir o bico e contar que é contrabandista e que Cindy foi atacada por um de seus clientes que é dono de um lugar chamado, brasileiramente de “La Hacienda”, localizado cerca de 25 km depois de Volta Redonda. John pega a maleta do DJ e sai. 

O católico Santos, beija e crucifixo, incorpora o capitão Nascimento e comanda um esquadrão da morte com ordem de invadir a favela e “passar o rodo geral”. Manny e John estão num carro rumo à “La Hacienda”. Eles descobre que o conteúdo da pasta do DJ são documentos falsos da alfandega. Rumo à favela, Santos reza com seu esquadrão dentro de uma caminhão antes da matança iniciar. Manny deixa John em “La Hacienda” – um lugar onde há muita mulher com pouca roupa, alguns cliente e muitos seguranças. 

O barman avisa a asiática, que está contando uma pilha de dinheiro, que John está ali. Ela manda um segurança matar John. Ele falha. John vê ao longe uma sala com crianças prisioneiras. Na favela, a matança continua e um dos policiais vê duas pessoas armadas colocando crianças dentro de uma van. O policial acerta um, detém o outro e chama reforços. Santos manda que todos continuem o ataque e vai com Bororo até a van. Santos pega a arma do japonês, mata o policial e libera o bandido com a van pelo dobro do preço. Santos recebe uma ligação da asiática que o manda ir às docas receber o dinheiro. O falso católico então pede ajuda médica para o policial morto. 

Em “La Hacienda” todos os seguranças estão à procura de John. O chefe yakusa Hirimoto, está sem camisa para que vejam suas tatuagens quando recebe uma ligação da asiática que diz que John parece o McClane pois é duro de matar. Hirimoto a manda sumir com as "mercadorias" e os convidados e ir à clínica terminar o serviço. O chefe liga para Santos - o falso profeta - e o manda matar John. 

O DJ está em pé a frente de Hirimoto para ser punido por ter dado com a língua nos dentes. Hirimoto é um japonês careca que curte barba e logicamente mata com espada. Após divagar sobre balelas filosóficas, Hirimoto pega a espada, a elogia, e mata o DJ. John continua segurando a maleta quando é cercado por vários seguranças armados e começa uma briga. Katarina e Paulo estão dentro da viatura quando o rádio manda as unidades irem à “La Hacienda”. 

John continua brigando com os seguranças que optaram por não usar armas. A luta termina e Santos e Bororo chegam apontando as armas para John. Katarina e Paulo também chegam. John diz à Katarina que viu as crianças sequestradas e leva os quatro até lá. Mas não encontram ninguém. John mostra os manifestos falsificados provando que havia o contrabando de crianças. Santos pede a John que entregue a maleta do senhor Lima - nome do DJ. Santos manda Da Silva levar John ao hotel e diz que vai às docas. 

Antes de entrar no carro, John se dá conta que Santos sabia de quem era a maleta, logo ele não é flor que se cheira. John pede para que Katarina proteja sua irmã e vai atrás de Santos e Bororo. Mais tarde, a asiática que já deveria ter chegado há tempos na clínica, finalmente chega. Ela entra no quarto e quando se move para retirar o tubo de oxigênio de Cindy, é baleada por Katarina que não se dá ao trabalho de falar nada e atira duas vezes. 

Santos e Bororo chegam às docas onde se vê bandidos armados por todos os lados, descem do carro e vão até um galpão. Surpreendentemente John sai do porta malas do mesmo veículo que trouxe a dupla e em seguida nocauteia um meliante desavisado que estava ali perto, arrastando-o para trás de uma mulinha. John percebe ao longe os bandidos descarregando as crianças da van no armazém 9 e liga para Manny dizendo que elas serão levadas para o Japão num navio e que Santos e Bororo estão mancomunados com a yakuza carioca. 

Tiros são disparados e os bandidos começam a procurar John. Dezessete defuntos depois, restam apenas Santos, Bororo e Hirimoto. Bororo ataca John, Santos entra na briga e em seguida Hirimoto se junta à festa com sua espada. O primeiro a se dar mal é Bororo que acaba com uma faca atravessada no pé. Em seguida John arranca o crucifixo do infiel Santos e o crava em seu peito para que Jesus entre em seu coração. John então, quebra o pescoço de Bororo sobrando apenas o yakuza de pé. 

John então pega dois tubos tigre em formato de tonfa e começa a brigar com Hirimoto e sua espada super afiada. Muitos tilintados depois Hirimoto diz que John luta melhor que Cindy. Essa afirmação deixa John furioso e o japonês passa a apanhar muito até cair. Escorado num canto e sagrando bastante, Santos - o homem de pouca fé - percebe que foi um péssimo cristão e que não irá para junto do Criador. Então resolve fazer uma boa ação antes de morrer e entrega uma chave de seu armário na delegacia e diz que há uma lista de pessoas envolvidas, entre polícia, tribunais e governo. 

Numa vã tentativa de ludibriar Jesus e talvez entrar no céu, Santos tentou justificar suas ações dizendo que fez o que fez para tirar a família da favela e que espera que seja feita a vontade de Deus. John diz que Deus não tem nada a ver com isso. Nesse instante, o japonês se aproxima de John gritando com sua espada em mãos. John descarrega a arma no yakuza que morre. 

Santos sabe que seu julgamento está próximo e pede que John deixe uma pistola para ele. John deixa a arma e sai. Santos se mata. A polícia chega. As crianças são libertadas. Na clínica, o médico diz a John que Cindy levará alguns anos para se recuperar pois o tratamento será longo e caro. Mais tarde no restaurante a beira mar, Manny se aproveita da situação e propõe que John volte à ativa para fazer o serviço sujo da CIA e diz que pode cuidar da Cindy se ele topar. Sem alternativa, John aceita.

Comentários

++ DA SEMANA

Movimento ético quer receber sem doar

Homem na lua, Terra plana e reformas

Não perca as promoções da Black Friday