Não perca as promoções da Black Friday

Até que demorou, mas enfim ela chegou e chegou para ficar no calendário e no costume dos consumidores porque nosso povo adora qualquer coisa que venha dos Usa And Abusa e esteja escrito em inglês. A Black Friday chega com todo um pesado marketing visando atrair o dinheiro da população com promoções nem sempre economicamente viáveis. 
black friday, consumismo, consumidores, vendas

Mas mesmo assim, o brasileiro espera encontrar os produtos que são seus sonhos de consumo com os maiores descontos imaginários da Black Friday. Tem até loja que entrou de cabeça nessa loucura e já abrirá as portas a meia noite de quinta-feira, para desgosto dos funcionários que passarão a noite em claro e enfrentarão toda a jornada da sexta-feira negra, para compensar depois no banco de horas. 

Mas ao que tudo indica, os produtos mais desejados dos últimos anos não terão descontos significativos nos preços. De acordo com estrategistas em vendas, a data teoricamente, significa liquidação com descontos no varejo, mas na pratica não há obrigação das lojas fazerem promoções para todos os itens. Um especialista explica que um desconto, mesmo que razoável, sobre um aparelho barato pode fazer o consumidor economizar uma boa quantia.
“No ano passado, por exemplo tinha uma lanterna portátil que havia saído de linha mas que estávamos com uma grande quantia em estoque e era vendida em média a R$ 25,00, mas que custava R$ 50,00. Convenhamos que um desconto de 50% não se encontra em qualquer dia, apenas na Black Friday. Com o valor economizado o consumidor poderia até comprar outra coisa. É como diz aquele ditado - de grão em grão a galinha enche o papo." 
Estrategicamente cortar o preço de produtos com custo menor pode servir de atrativo aos clientes mais afoitos em torrar dinheiro, os quais poderão comprar produtos mais caros e com desconto muito menor, ou até mesmo sem desconto algum. No meio de tantas lojas, é um atrativo anunciar que alguns itens baratos estão com altos percentuais de desconto. 
“A lógica é a seguinte: eu dou um desconto percentualmente alto para puxar o produto que tem o tíquete médio baixo, para gerar mais venda e, assim, atrair mais compradores que acreditam que estão levando vantagem sobre a loja, quando na verdade é o contrário.” 
Se a loja colocar em promoção um item que custa R$ 20 com 80% de desconto, a venda sai por R$ 4,00 e a loja abriu mão de R$ 16 por item. O consumidor enche os olhos e só enxerga os R$ 16,00 que não pagará à loja  e nessa fissura geralmente acaba levando outros produtos mais caros sem necessidade ou explicação nenhuma.

Outro fator importante é a relação comercial entre varejistas e fabricantes a qual pode ditar quais produtos terão descontos maiores. Se comprarmos por um preço menor podemos ou não dar descontos significativos. Afinal, não podemos esquecer do princípio básico de economia que diz que o preço é definido de acordo com oferta e demanda, na maioria das vezes. 

Isso significa, por exemplo, que os produtos mais desejados e com mais estoque podem não ter desconto. De acordo com isso, os lançamentos, por serem produtos desejados, ficam de fora das promoções mais generosas. As pessoas precisam, por diversos fatores, possuir aquele produto ou marca e estão dispostos a pagar caro por ele. 
"Num cenário assim, quem é que vai querer dar desconto não é verdade? Nessa situação optamos por dar desconto apenas nos produtos encalhados. O importante é lucrar e lucrar o máximo possível. Não perca essa Black Friday que está sensacional!

Comentários

++ DA SEMANA

Movimento ético quer receber sem doar

Homem na lua, Terra plana e reformas