Empresas empregam psicopatas em cargos de chefia

Recente racha na associação local dos psicopatas trouxe à tona estudo com afirmações até então contraditórias com os ditames do mundo empresarial. Tais estudos indicam que 20% ou seja, um em cada cinco pessoas que ocupam postos elevados ou conselhos de empresas são filiados à associação e estão escondendo tendências psicopatas e usando alguns traços de personalidade para atrair e manipular pessoas para conseguirem o que querem. 
Alfred Hitchcock, normam bates, psicose, psycho, Anthony Perkins, Vera Miles, John Gavin e Janet Leigh

O mesmo estudo mostra que até 4% dos líderes de negócios nos Estados Unidos são, na verdade, psicopatas. Esses dados reforçam outro estudo anterior que sugere que entre 3% e 21% dos gerentes de logística sofrem de psicopatia. A prevalência da doença mental na população em geral é de 1%, confirmando com esses números que muitas empresas tem colocado pessoas transtornadas na função de líderes de negócios para que, usando de sua ambição e falta de escrúpulos, possam manipular as pessoas para sua própria vantagem e em consequência, da empresa. 

Isso vem ocorrendo no setor de finanças, por exemplo, desde os anos 1970 quando foram atraídos pelo ambiente de alto risco e alta possibilidade de lucro. Uma das autoras do estudo, Leanne Ten Brinke, acredita que esteja na hora de repensar velhas premissas de que ser frio e impiedoso sejam características positivas de chefes e gerentes. 
"Nossos resultados são consistentes com outra pesquisa que sugere que pessoas com mais traços psicopatas tenham capacidade para falar a coisa certa mas não para fazer a coisa certa ... Psicopatas têm uma probabilidade maior de chegar ao poder através de dominação, bullying e intimidação em vez de por respeito... No entanto, conquistar poder não é o mesmo que exercê-lo de maneira eficaz".
diz ela. 

Ao contrário do que os especialistas em rh pregavam com outras palavras, o estudo mostra que psicopatas frequentemente deixam para trás um rastro de caos. Por exemplo: um CEO psicopata de uma determinada organização de caridade, por exemplo, causou uma rotatividade maior de funcionários e uma queda na receita. O estudo apontou que, apesar de seu charme, psicopatas provocam comportamentos contraproducentes, bullying e conflitos no local de trabalho, assim como menor satisfação dos funcionários. 

Uma forma comum de verificar a presença de traços psicopatas nas pessoas é usar uma avaliação conhecida como Lista Hare de Psicopatia. A lista mostra itens que podem causar tanto a destruição quanto a promoção em um local de trabalho. 

De outro lado, os defensores da utilização de psicopatas como forma de enriquecer, os consideram charmosos, envolventes e graciosos devido a uma falta de autoconsciência que os liberta de inibições e preocupações morais. Consideram que executivos com mais traços psicopatas tendem a serem vistos como carismáticos, criativos e bons comunicadores porque o puxa-saquismo latente das pessoas as impede que enxerguem o psicopata como verdadeiramente ele é e sucumbam ao charme ignorando questões de comportamento. 

Defendem ainda que a forte ligação entre psicopatia e impulsividade disfuncional pode significar que eles têm uma tendência a se envolver em comportamentos arriscados sem pensar nas consequências devido a falta de medo o que poderia em tese, colocá-los na condição de herói, por exemplo ao ajudar alguém em uma situação perigosa. De qualquer forma é consenso que psicopatas não sentem culpa ou remorso quando prejudicam outras pessoas.

O estudo em questão sugere que eles sentem emoções apenas quando a situação os prejudica financeiramente, por exemplo. 
"Psicopatas geralmente tentam fazer algo bem feito para eles mesmos, mas não necessariamente para as pessoas para quem trabalham. Eles são muito bons em dar uma boa impressão, ser promovidos e conseguir um aumento de salário, mas não são necessariamente bons como gestores. Eles só são aplicados em uma empresa se isso é necessário para que eles sejam promovidos ou consigam mais dinheiro".
diz um dos sectários da associação. 

Enquanto claramente há algumas características que podem ser ruins para o negócio e a própria vida, o impacto das características de psicóticas dependem do contexto. 
"Ser impiedoso não é algo errado mas num outro contexto pode se tornar crueldade. Não ter medo também pode ser uma vantagem, mas no contexto errado pode virar irresponsabilidade. O segredo é ter a combinação certa de traços psicóticos nos níveis certos e no contexto certo". 
finalizou um subalterno de um psicopata.

Comentários

++ DA SEMANA

Movimento ético quer receber sem doar

Homem na lua, Terra plana e reformas

Não perca as promoções da Black Friday