Pular para o conteúdo principal

O perigo de ter animais em condomínio

João morava num apartamento de 60 metros quadrados dentro de um condomínio de classe média em um bairro afastado do centro. Assim como outros condôminos, João também tinha um cão de estimação. Era um cachorro grande, uma espécie de cruza entre dogue alemão com mastiff, misturado com pointer inglês. Assim como o local onde o condomínio estava instalado era tranquilo, João também o era e dessa forma vivia seus dias sem maiores preocupações, aproveitando sua recente aposentadoria. 
proteção dos animais, condominio, cães, gatos, sociedade, pelotas, morro redondo
tipos de animais encontrados em condomínio

Fazia pouco tempo que João havia se mudado para esse local e diariamente saía para passear com Godofredo, seu cão e única companhia. Raras vezes os dois saíam para fora da área do condomínio. Na maioria das vezes o passeio se mantinha dentro das dependências muradas. Godofredo era um cão manso, apesar de sua aparência e olhar suscitar uma certa dúvida quanto à essa afirmação. 

Em algumas oportunidades, quando não havia mais ninguém por perto, João se sentava em um banco próximo à pracinha de brinquedos e deixava o cão livre para vaguear pelas proximidades. Godofredo já não era tão novo assim e como tal, não corria. Caminhava para lá e para cá, fazia suas necessidades e depois retornava, satisfeito, para o conforto do apartamento junto a seu dono. 

Mas assim como haviam outros condôminos com cães, havia os que não tinham animal algum. Não porque não gostassem de animais, mas talvez porque não consideravam o local de moradia espaçoso o suficiente para abrigar um animal além de uma família. 

Alguns desses condôminos passaram a reclamar nas reuniões mensais sobre o barulho que alguns animais faziam e principalmente sobre as fezes que estes deixavam espalhadas pelo chão, já que sobre o mijo não há o que se fazer. Falavam do risco que isso representava à saúde das crianças. Alguém relatou o quão desagradável e fedido foi ter pisado por descuido num cocô.

Houve consenso de que os donos teriam que se responsabilizar pelo recolhimento dos dejetos e avisos foram distribuídos pelos blocos. Para reforçar foram confeccionadas placas educativas que foram afixadas em vários locais pelo interior do condomínio afora. 

A expectativa de que em um curto espaço de tempo a consciência e responsabilidade dos amigos dos animais aflorasse naturalmente, não aconteceu para frustração e indignação dos insatisfeitos reclamantes. Passados três meses do inicio da campanha, ainda se via cães soltos, donos coniventes e totalmente alheios aos avisos espalhados que pediam pela manutenção da área comum livre de fezes animais.

No entanto, um par de olhos profundos acompanhava, silenciosamente o desenrolar desses eventos. Os olhos de um paladino da justiça, de um organizador de coletivos, de um estabelecedor de boas práticas, de um regulador de ambiente, de um desfibrilador de consciências, de um arauto da convivência. Esses olhos estáticos perceberam que as palavras não foram suficientes para desabrochar o bom senso. Esses olhos passaram a tramar.

Dois dias após, percebeu-se que uma das placas educativas estava marcada com um xis vermelho e o corpo já sem vida de Godofredo jazia próximo à um montinho de bosta fresca. João desesperou-se e seus olhos incharam de ódio e seu coração ferveu com desejo de vingança... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …