Pular para o conteúdo principal

O homem que pagava para não se incomodar

José era um sujeito legal, de meia idade, calmo por natureza e perseverança. Ele era definido pelos amigos como o "deixa disso", a pessoa que queria sempre estar em paz e detestava confusões. Numa tarde, José estaciona o carro em frente à uma lojinha de materiais de escritório, rapidamente compra um pacote de folhas A4 que sua filha precisava para um trabalho escolar e, ao retornar ao carro encontra um sujeito usando chinelo de dedo e boné na cabeça que, com a mão estendida, solta um sonoro:
pomba, paz, pombo
Paz na Terra aos homens de boa vontade.

Tá bem cuidado chefia. 
José não se sente bem com aquela situação, fica constrangido, mas para não se estressar pega a carteira e entrega uma nota de dois reais ao sujeito. Antes de sair ainda ouve o "cuidador de carros" dar palpite sobre qual é a melhor forma de sair da vaga.

José liga o rádio e procura uma música calma. Cerca de um km adiante ele se envolve em um acidente leve. Um ciclista segue no mesmo sentido e à direita de José até que, num cruzamento, faz uma virada brusca à esquerda sem nenhuma sinalização prévia. Não sendo possível evitar, acontece a batida. O ciclista cai no chão e segura uma das pernas com aparente dor.

José fica indignado com a barbeiragem do sujeito, sai do carro e vai ver como ele está. O homem se levanta mancando e acusa José de não ter visto seus sinais e cobra o prejuízo com a bicicleta.
R$ 100,00 e deixamos por isso mesmo
propõe o "magreleiro" adepto dos pedais.

José não acha aquilo certo mas para não complicar as coisas se dispõe a pagar o valor. Abre a carteira e verifica que tem apenas R$ 82,75. O homem não aceita e ameaça chamar tanto os "azuizinhos" quanto os "azulzinhos".

Após se convencer que não conseguiria mais dinheiro acaba aceitando o valor. Quem não acompanhou o desenrolar dos acontecimentos desde o início ficou com a impressão de que o ciclista tinha feito um favor ao motorista. Uma boa alma.

José entra no carro e segue seu caminho. Segue sua vida tentando apaziguar as coisas. Tentando torná-las mais fáceis, nem que para isso tenha que ceder e ceder novamente, porque afinal, a vida deveria ser simples de se viver. Cerca de dois meses após esse incidente, nosso herói é colocado na primeira página dos jornais da cidade.

O homem teve um surto psicótico ao não receber o troco certo na compra de um sanduíche de queijo, no parque central. Matou o vendedor de cachorro quente e cinco policiais antes de ser alvejado. Faltou 40 centavos no troco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …