Pular para o conteúdo principal

Falta dinheiro, não falta trabalho

O tempo está nublado com possibilidade de chuva imediata. Um homem apressa-se em direção à cobertura de uma parada de ônibus, olha para o relógio enquanto se aproxima outro sujeito, falando ao celular. Diz o sujeito:
emprego, trabalho, vagas
não há vagas remuneradas

Tem muita coisa errada. Isso não devia ser assim. Ao mesmo tempo que falam em aumento do desemprego há muito trabalho por ai esperando que as pessoas façam. Casas precisam ser pintadas, ruas precisam ser pavimentadas, prédios precisam ser construídos. Trabalho para todos há. O que dizem não haver é dinheiro para financiar tudo isso. E por quê não tem dinheiro? Por causa das malditas regras capitalistas. Quem tem dinheiro não quer gastar pavimentando estradas ou construindo prédios a menos que ganhe com isso bem mais do que gastou. Tu acredita que o governo não tem dinheiro? Se não tem por quê não manda fabricar mais? Para que serve aquela casa da moeda? 
A pessoa do outro lado da linha fala alguma coisa e logo após o sujeito insiste: 
Como não? Imagina se o governo manda fabricar dez bilhões de reais e decide gastar todo esse dinheiro contratando pessoas diretamente para pavimentar as estradas da colônia. Imagina quanto emprego isso geraria. Vamos supor que 40% desse valor seja utilizado em materiais e equipamentos. Os outros 60% iam garantir o pagamento de dois mil reais, durante dois anos para 125.000 pessoas. Dois mil é pouco? Que tal quatro mil reais para 62.500 pessoas em dois anos? Mas em vez de fazer isso, o governo diz que tem que fazer cortes porque não tem dinheiro. Conversa mole. Enquanto isso pessoas sobrevivem numa vida na miséria... 
O ônibus chega e o sujeito embarca, ainda falando ao telefone enquanto o outro permanece imóvel. Começa a chover e ele olha novamente para o relógio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …