Pular para o conteúdo principal

Editorial do Jornal Lorotas do Amanhã repercute

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, eu queria fazer um registro nesta tribuna, neste fim de manhã, que considero extremamente importante para o nosso País, para a nossa Câmara dos Deputados e para nossa democracia. O jornal “Lorotas do Amanhã” publica hoje um editorial sobre a denúncia do nosso Presidente. Não se trata de um registro qualquer. 
jornal, news paper
Se escrevemos é porque é verdade.

Fundado em 1532, o Lorotas é o jornal de maior longevidade na imprensa, atualmente. Apoiou o movimento Colonizador, em seguida deu suporte à ocupação Imperial. Quando foi conveniente passou a apoiar o movimento Republicano. Quando percebeu que não havia mais jeito, mudou de lado e utilizando-se sabiamente da demagogia passou a defender a abolição da escravatura. 

Durante a ditadura militar, marcou história ficando do lado dos milicos e quando tinha eventuais textos vetados pela censura, publicava no lugar poemas e receitas variadas. Diante do inicio do processo de redemocratização, o Lorotas do Amanhã subiu no muro para vislubrar o horizonte e em seguida passou a apoiar de forma sofismática a Nova República. Apoiou também o impeachment de Collor, mesmo que tardiamente, mas compensou isso apoiando desde o embrião, o impeachment da Presidente Dilma. 

E sempre que o fez, utilizou-se de moderna técnica jornalística, misturando opinião com notícia, principalmente na seção das notícias. E hoje, mais uma vez, o jornal Lorotas do Amanhã expôs a sua opinião sobre um assunto de enorme gravidade para o País: a denúncia do Procurador-Geral da República contra o Presidente da República. 

Separei aqui alguns trechos, que eu gostaria de ler, do editorial do jornal Lorotas do Amanhã. Trata-se de um importante registro histórico, no momento alarmante em que estamos vivendo, sobre o qual temos que jogar luz, sempre tendo como guia a Constituição Federal e a defesa do Estado Democrático de Direito. 

Logo no seu primeiro parágrafo, o editorial de Lorotas do Amanhã afirma que o resultado do generoso prêmio dado ao empresário por sua delação envolvendo o Presidente é uma denúncia inepta. E segue o Lorotas:
Por esses motivos, o Supremo Tribunal Federal faria bem se mandasse arquivar a denúncia, pois é claro que não se pode tratar de um processo criminal contra um Presidente da República - que implicaria seu afastamento do cargo - sem que haja sólidas evidências a ampará-lo. E tudo o que se pode dizer, da leitura das páginas iniciais da denúncia do procurador-geral, é que as acusações evidentemente carecem de base. 

Como podemos ver de forma clara, senhoras e senhores, se deu no jornal é verdade. O editorial pede que esta Casa tenha responsabilidade para apreciar a denúncia e seguir votando as reformas que colocarão o povo em seu devido lugar. Segue o editorial do jornal Lorotas do Amanhã: 

Diante disso, cabe ao presidente lutar utilizando-se dos mais variados meios e propósitos para garantir que a maioria no Congresso irá rejeitar a denúncia, para seguir adiante com as reformas. O País não pode continuar refém de irresponsabilidades. 

Este é um registro que eu queria fazer porque julgo da maior importância este tema. E é muito importante, ao final da minha fala, Senhor Presidente, poder dizer que Lorotas do Amanhã sempre foi uma referência. Eu queria deixar a todos os Deputados e a todas as Deputadas o convite para lerem, na íntegra, este editorial do jornal Lorotas do Amanhã, que representa a defesa da instituição Presidência da República, do Parlamento, do Congresso Nacional, da nossa democracia e do povo brasileiro. Muito obrigado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …