Pular para o conteúdo principal

Coleira inteligente para humanos de estimação

Esta coleira inteligente promete conectar os cães e seus humanos 24 horas por dia. Quer saber onde seu humano está? O GPS acoplado ali permite que você rastreie cada passo da criatura – dá para saber até em qual andar da casa ela se encontra, já que se trata de um GPS “3D”, que detecta altitude. 
coleira, colar, caes, humanos, gatos
Seu humano vai adorar!

O dispositivo também monitora a temperatura e as atividades do humano, enviando notificações para o smartphone por meio de um aplicativo. Você pode saber se ele está feliz, com sono, agitado ou se precisa de um passeio. Um painel de LED acoplado emite frases curtas. 

Se o humano sair do perímetro delimitado, por exemplo, a coleira pode reproduzir a frase “Estou perdido” junto com um telefone para contato. Outra função é o “modo ultrassom” que emite alguns ruídos em alta frequência que, segundo a empresa fabricante, teria a capacidade de acalmar os humanos e até evitar brigas. 

A coleira funciona com bateria, que dura, em média, 30 dias. Depois desse período, ela pode ser recarregada em uma base que acompanha o produto. A coleira, que está em pré-venda, custa US$ 249  e tem uma taxa mensal de US$ 4,99 para manter o GPS ativo. Entre as cores disponíveis: preto, azul, marrom, vermelho, rosa, azul e branco. Gatos também podem tê-la.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …