Pular para o conteúdo principal

Palavras de um deputado condenado ao mandato

Senhor presidente, senhoras e senhores deputados, com muito prazer e muita honra assumo a tribuna nesse momento para dizer que eu não “sou” deputado... Eu “estou” deputado desde há alguns anos, período em que servi integralmente minha cidade, meu estado e meu país amado, e onde as cores, verde e amarelo, sempre estiveram estampadas em meu peito com orgulho e satisfação pulsante.
camara deputado federal, congresso nacional
plenário vazio após discurso em questão

Retorno após uma equivocada sentença onde fui injustamente condenado a dez anos de prisão em regime semiaberto por ter supostamente desviado dinheiro de algumas obras emergenciais. Bem sei eu que minha ação de outrora foi errada assim como sei que a quantia que dizem que peguei foi bem maior do que a que efetivamente caiu em meu bolso. Uso esse momento para dizer que não podemos ceder às tentações que nos levam a acusações exorbitantes como mero dispositivo politico de ataque aos não correligionários e reafirmo que continuarei votando sempre tendo em mente um "bem maior".

Uso esse instante para dizer o quão é imprescindível que possamos dar uma nova chance aqueles que cometerem delitos na esperança de que sejam acolhidos pela nossa amada sociedade e usufruam de condições que desmotivem novas e futuras falcatruas.

Preciso antes de mais nada, confirmar que o dinheiro entrou em minha conta, mas não fui eu quem o retirou. E nem sei quem poderia tê-lo feito. Mas o fato é que isso são águas passadas e aqui estou de volta a essa honrada casa para cumprir paralelamente minha pena e o restante de meu mandato porque afinal, o povo é meu patrão e a ele devo obediência.

Espero que possamos evoluir enquanto pessoas civilizadas que somos, que as injustiças cessem de uma vez e que eu não seja mais condenado injustamente como fui agora e em três situações anteriores. Obrigado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Solenidade das Pessoas Que Não Roubam

Deu-se início as festividades em comemoração ao dia da "Honestidade Implícita", celebrado todo o dia 10 de julho na província de Capela da Buena. Também chamada de "Solenidade das Pessoas Que Não Roubam", o evento é uma festa local em honra ao martírio de João, ocorrido à 15 anos e que serviu de inspiração para uma mudança radical nos conceitos até então vigentes na região. 
Segundo reza a lenda, Tereza, uma senhora viúva de 65 anos, tinha um boleto a pagar que vencia naquele mesmo dia 10 de julho. A conta era a última de um total de 76 (setenta e seis) parcelas e se referia ao financiamento da moradia de Tereza, uma casa simples, mas aconchegante. No contrato bancário estava previsto que o não pagamento de qualquer das parcelas nas datas pré-estabelecidas, acarretaria no rompimento do mesmo sendo que o imóvel continuaria de propriedade da Instituição bancária e os valores já pagos por Tereza seriam considerados como aluguel, não sendo ressarcível em hipótese algu…

Protestos na democracia representativa

Dentro de instantes dar-se-á início à sessão que votará o projeto de lei que acaba com o benefício da aposentadoria para a grande maioria das pessoas. A partir de então para se aposentar será preciso trabalhar de forma contínua durante 49 anos e não menos que isso. O próximo projeto a ser votado é o que acaba com diversos direitos trabalhistas e para finalizar o último projeto trata do fim da obrigatoriedade das contribuições sindicais. Os sindicatos como representantes da categoria devem buscar ampliar direitos de todos os trabalhadores e não apenas dos sócios, mas contribui apenas quem quiser. Algumas milhares de pessoas protestam do lado de fora e uma força militar considerável os impede de ingressar no local de votação. O presidente da Câmara, um tanto nervoso, sabendo que a proposta será aprovada por maioria, pergunta a um assessor como está a situação do lado de fora. A resposta do assessor é: situação umO clima está calmo. Eles estão cantando uma espécie de hinos, entregam flor…

Furador de fila é condenado à prisão

Homem é condenado a dois anos de prisão por ser um contumaz furador de filas. Aécim, como é conhecido o réu, entrou com uma ação de indenização contra Armindo e outras duas pessoas alegando ter sido injuriado e agredido com empurrões após tentar entrar numa agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro. 
Em declaração, o réu informou que precisava de dinheiro para remédios e havia ido ao banco para trocar o cartão que encontrava-se vencido há cerca de um mês mas ao chegar à agência não percebeu que havia uma fila sinuosa no interior da mesma que se estendia para o lado de fora por cerca de vinte metros. Ao adentrar ao banco o réu localizou a maquininha que fornece senhas e imediatamente tentou usá-la, momento em que foi indagado por Armindo se ele tinha algum problema de miopia que o impedia de ver pessoas em fila. 
O réu não entendendo de imediato a ironia, respondeu que não tinha problemas nem de visão e muito menos de olfato e, depois de uma cheirada …